sábado, 27 de outubro de 2007

Festa no apê!


No último fim de semana realizamos mais uma edição da nossa festinha no apê do Xandi. Ainda não havia comentado destas festas aqui no She Blogs, mas segundo alguns, nossas festas precisam de uma outra versão da história, além da que a Amandinha conta lá no Asterisco. Aí vai a minha versão.
Começamos a agregar mais colegas à nossa “panelinha” da festa. A nova integrante foi a Marluci. Que bom, finalmente alguém pra me acompanhar na cerveja.
Começamos fazendo as compras. Dessa vez só ultrapassamos 5 mangos do nosso “engorde”. Nossa Mestre Cuca particular, a Claudinha, e seu auxiliar, o Rodrigo, foram direto para a cozinha preparar o strogonoff, mas que entre um ingrediente e outro, davam escapadinhas para dançar. O resto ficou pra lá e pra cá. A Amandinha atirada no sofá. O Xandi, a Marluci encotraram uma máscara de monstro que os destraiu por um bom tempo. Dançamos e tiramos fotos. Para variar, tirei algumas fotos de garrafas. Nada de muito anormal, até surgir uma bola murcha. Aí virou bagunça. Gurizada de apartamento não pode ver uma bola. É pior que gurí que só pode brincar dentro do pátio! Ficaram num alvoroço tão grande jogando fotebol (se é que se pode chamar aquilo de futebol) com aquela bola murcha, que até a Claudinha veio da cozinha pra se meter na brincadeira. Eu fiz questão de de registrar toda a confusão, que só foi parar quando a Marluci desabou no chão. Parece criança que não tem limite, só para com a bagunça quando dá merda.
O detalhe é que até aí, ainda esperávamos a cerveja gelar e o Rodrigo não tinha feito nenhuma dose da sua poderosa caipira. Ou seja (cerveja, dããããrrr), nada de álcool até o momento.
Depois do strogonoff que, diga-se de passagem, estava muuuiiiito bom, é que fomos começar a beber. Descobri que os primeiros goles de Patrícia me dão alergia, mas se continuo bebendo logo passa.
O melhor da festa foi quando a Amandinha, que preparou até um set list especial, começou a tocar violão. Todos acompanharam em um coral muito harmonioso e afinado. Foi quando alguém bateu na porta. Um senhor muito simpático e educado: “A música está muito boa, mas temos uma série de normas no prédio... e blás, blás, blás...”
Pô, tem que ter um estraga prazer! Tava tão agradável nossa cantoria! Até estranhamos, porque em vista de outras edições da festa, estávamos bem moderados. O melhor foi que o suposto síndico levou a lista de normas, que a Claudinha fez questão de de ler inteirinha, com voz de aeroporto. A norma mais relevante contida na lista foi a de que é estritamente proibida entrada de indigentes e pedintes no condomínio (vai entender!).
Bem, sem a possibilidade de fazer barulho, surgiu a velha Verdade ou Conseqüência. Eu nem quis participar, pois nestas brincadeiras acontecem coisas que ficam marcadas para o resto da vida. Enquanto isso fui falar no telefone com o Klaus, para variar. Também ouvi música no volume mínimo e dancei sozinha. Ah, e me diverti assistindo as conseqüências. Saiu dança na boquinha da garrafa, estriptise, uhuuuh!
Depois que se esgotaram as verdades e as conseqüências, fomos para a seção fofoca. Nenhum colega escapou de nosso crivo.
A essa altura o soninho já estava tomando conta de alguns. Nos despedimos da Claudinha, da Marluci e do Rodrigo. O que sobrou ainda jogou mais uma conversa fora enquanto, aos poucos, fui pegando num sono no sofá mesmo.
Vale ressaltar que a caipirinha do Rodrigo estava um espetáculo, como sempre!
E que venha a próxima festa no apê!

2 comentários:

Am.P. disse...

Muito bem!
Que venham muito mais bagunças! Na próxima, vamos forrar as paredes com caixa de ovo para podermos cantar bem alto!!! Hehe!
Beijos!

Marluci Stein disse...

obaaaa
quando eh a próxima??
uhuulll!!
prometo q desta vez vou sem sono hihi

bjokas