sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Carnaval, confete e serpentina


Há quem goste de aproveitar toda a folia que o carnaval oferece, seja nas festas de rua, bailes em clubes ou nos sambódromos. Outros não gostam e não querem nem ouvir falar em carnaval. Mas a verdade é que, gostando ou não, todos adoram usufruir do feriadão proporcionado pelo carnaval.

Assistindo a uma matéria sobre o tradicional carnaval que acontecia na rua Borges de Medeiros em décadas atrás, lembrei dos bailes de máscaras que vemos em filmes e novelas de época e me perguntei: Como o carnaval, que nada mais era do que bailes com fantasias de Colombina, Pierrô e Arlequim, máscaras, confete e serpentina e embalados por marchinhas, se tornou o carnaval que conhecemos hoje de samba e mulher pelada? Mas de onde surgiu esse raio de carnaval?

Ao dar uma pesquisada internet à fora, descobri que o carnaval começou antes ainda dos bailes de máscaras. Bem, as explicações divergem. Uma delas explica que a palavra carnaval está relacionada ao latim carnelevamen, transformado em carne vale, que significa "adeus carne". Era a manifestação de alegria pelo fato de as pessoas poderem comer carne até a quarta-feira de cinzas. Durante a quaresma, período de quarenta dias após o carnaval, a Igreja proibia o seu consumo, como pagamento da penitência dos cristãos. Uma outra explicação dá conta de que em Porto Alegre o carnaval teve origem no século XVIII com o Entrudo, brincadeira trazida pelos açorianos, na qual as pessoas atiravam umas nas outras limões (uma bola de cera do tamanho de um limão, cheia de perfume), e havia casos em que se atiravam ovos e farinha nas "vítimas".

Mesmo com tantas explicações continua difícil entender como o carnaval chegou onde está. Pois é, funciona mais ou menos naquela teoria de que quem conta um conto aumenta um ponto. Passando de país para país, cada povo foi acrescentando algo de seus costumes e cultura até chegar ao resultado final. Só pra citar exemplos, na França o carnaval é comemorado com desfiles alegóricos, batalhas de confete e espetáculos de marionetes e de teatro de rua. Já na Índia, nada mais é do que um grande festival hindu chamado Holi, onde todos os participantes jogam tintas coloridas uns nos outros. No Brasil, não poderia ser diferente, o tal do carnaval acabou resumido à samba e mulher pelada.

Mesmo não encontrando um sentido exato para comemorar o carnaval nos dias de hoje, o negócio é aproveitar o feriadão e era isso.

5 comentários:

Marluci Stein disse...

uhuulll e viva o feriado! =)
bju, Lisii
Saudadona!

Anônimo disse...

asddas

Klaudio Uobes disse...

assunto: uobes4

HUhusahuhusahu

gosto do meu nome lisi?
uhashusahuashua

tô putoescrevi 2 cometarios, nehum deles deu. aí fui escrever qlqr coisa aí deu. por issu q saiu esse "asddas"

Bjo

Klaudirlênio disse...

Não tem como apaga aquele comentario do idiota "anonimo" ali em cima?

Pq as pessoas fazem isso. Uma brincadera dessa. Q feio!

Ah Jesus Christian ond esse mundo vai parar?!

Aff...

OBS.:PS.:EX.: Escrevi este comment ouvindo tua "A melhor música de todos os tempos da última semana...".

Lisi disse...

É Klaudirlênio, até tem como apagar, mas as pessoas fazem isso só pra aparecer, deixa assim.

Pois é, a música é beeeem boa mesmo!!

Beijo!